11 de abril de 2019

CENTRO CÍVICO: Prefeitura prepara projeto de ocupação do antigo aeroporto

Reprodução: Prefeitura prepara projeto de ocupação do antigo aeroporto
Do O Diário - Ao mesmo tempo em que o Tribunal de Justiça do Paraná confirma a construção do prédio que abrigará o novo fórum da comarca, a Prefeitura de Maringá prepara para colocar em prática outra série de projetos já elaborados para ocupação do amplo espaço que abrigou durante 25 anos o aeroporto da cidade.

Em 1997 as operações diárias no antigo aeroporto, ao lado da Avenida Gastão Vidigal, foram transferidas para um novo local, mais afastado da área urbana, onde funciona atualmente ao lado da PR-317, na saída para Campo Mourão.
Entre os projetos em andamento e prontos para serem executados pela Secretaria Municipal de Obras Públicas (Semop) - em conjunto com a Secretaria de Planejamento e Urbanismo (Seplan) e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (IPPLAM) - estão a transformação do antigo prédio da estação de embarque e desembarque em um museu de história e arte regionais e a construção do Hospital da Criança, que já tem sua estrutura sendo executada na área próxima à antiga pista de pouso e decolagem.

“A implantação do Hospital da Criança e outros empreendimentos previstos para aquela área a ser urbanizada motivará a colocação em prática de outros importantes projetos, como o novo Centro Cívico, o Parque Linear e o Eurogarden, possibilitando também o prolongamento da Avenida Brasil”, assinala o secretário municipal de Obras Públicas, Albari de Medeiros.

Forum

Apresentado no começo deste mês pelo Tribunal de Justiça do Paraná, o projeto para construção do novo Fórum de Maringá prevê investimento de cerca de R$ 100 milhões em uma área construída de quase 30 mil metros quadrados localizada no atual gramado entre a pista da Avenida Gastão Vidigal e o antigo terminal de passageiros do Aeroporto.

A edificação terá tecnologia contemporânea que visa a sustentabilidade, por meio da utilização de materiais e tecnologias construtivas e o aproveitamento das condições climáticas da região, para que o impacto de consumo de energia e água seja o menor possível.

O prédio vai oferecer melhores condições de atendimento aos cidadãos e pessoas portadoras de deficiência, que terão todos os meios de acessibilidade. A obra está prevista para ter início no começo de 2020 e deverá ser concluída no prazo de 24 meses.

Museu

O contrato da cessão do prédio do antigo aeroporto ao município foi assinado e publicado no Diário Oficial da União ainda no ano passado.

Inaugurado em 1972, o imóvel, de 16,5 mil metros quadrados, abrigou até 2015 a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, último uso do local.

Com a transferência da secretaria para outro endereço, está sendo elaborado o projeto de transformar o espaço em um Museu da História e Arte regionais. A iniciativa colocará Maringá nos circuitos nacionais e internacionais de obras de arte, já que atualmente a cidade não dispõe de espaço físico adequado para esses eventos.

Conforme o contrato de cessão, o município poderá utilizar o imóvel, gratuitamente, por 20 anos, para manter o Museu de História e Arte Hélenton Borba Cortes. O nome é uma homenagem ao médico e ex-vereador que em 1964 teve aprovado um projeto de lei que criou o primeiro museu da cidade.

Por conta da reforma do prédio, a Prefeitura de Maringá já providencia o cercamento da área e elabora projetos complementares para a abertura de licitação. Segundo a Secretaria Municipal de Cultura (Semuc), por enquanto não há uma previsão de data para o funcionamento do novo espaço.

Centro Cívico

A construção do prédio do novo Fórum de Maringá dará início à consolidação do primeiro centro cívico do interior do Paraná. Conforme projeto das equipes técnicas da Prefeitura de Maringá, na mesma área do novo Fórum serão instaladas também, futuramente, as sedes dos poderes Executivo e Legislativo.

A urbanização da área de 57,8 alqueires do antigo aeroporto vai contar com conjuntos comerciais e residenciais, interligados por um sistema viário consorciado, conectado por vias de ligações importantes, como os prolongamentos da Avenida Brasil e das ruas Ponta Grossa e Cambira.

Além das ruas existentes, serão implantadas novas que darão acesso ao Hospital da Criança e aos outros prédios públicos que serão construídos.

Parte das obras de execução dessas vias já foi iniciada e a conclusão dos serviços não deve demorar, pois serão realizadas pelo sistema de Parceria Público Privada com dispositivo de "outorga onerosa", onde o poder público autoriza que empresas privadas executem os serviços em troca de aquisição de potencial construtivo para futuros empreendimentos.

Hospital da Criança

Com terraplenagem pronta e fundações definidas, o terreno onde antes ficava a pista principal de pouso e decolagem de aeronaves recebe atualmente a fixação de blocos pré-moldados que dão início à estruturação do Hospital da Criança de Maringá. O material veio dos Estados Unidos acomodado em contêineres, via Porto de Paranaguá.

Com a proposta de ser uma referência para o Paraná e para o Brasil, o empreendimento deverá beneficiar até três milhões de moradores de Maringá e região noroeste do Paraná, que hoje só obtém atendimento aos pacientes de câncer infantil em hospitais de Curitiba e outras capitais.

A obra será executada por meio de parceria entre a Prefeitura de Maringá, Governo do Paraná, Governo Federal e Organização Mundial da Família (OMF).

A construção da unidade conta com o apoio do Hospital Pequeno Príncipe, referência nacional em saúde infantil, que dá suporte e consultoria técnica ao projeto. O hospital também poderá participar da concorrência pública para auxiliar na gestão da unidade.

Com investimento de R$ 153 milhões, o Hospital da Criança de Maringá terá 23 mil metros quadrados de área construída, 160 leitos e oferecerá 21 especialidades, entre elas oncologia, ortopedia, cardiologia, gastroenterologia e endocrinologia. Contará, também, com um centro de pesquisas em doenças raras.

Avenida Brasil

Por conta do intenso fluxo previsto no trânsito de veículos e pedestres, a Avenida Brasil será revitalizada e prolongada até o interior da área do antigo aeroporto a ser urbanizada. A via irá transpor a Avenida Gastão Vidigal e cruzará toda a extensão do complexo de empreendimentos até se juntar com a Avenida José Alves Nendo, na altura do Jardim São Silvestre.

Atualmente com mais de sete quilômetros de extensão, a Avenida Brasil é considerada o principal eixo comercial da cidade.

O plano de revitalização da via é coordenado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Maringá (Ipplam), que pretende criar um Concurso Nacional para Requalificação do Espaço Público nos mesmos moldes do certame que escolheu recentemente o melhor projeto para Requalificação do Eixo Monumental da cidade, compreendido entre a Praça da Catedral e o complexo esportivo da Vila Olímpica.

A ideia da revitalização do espaço é valorizar o comércio de rua e transformar a Avenida Brasil em um local agradável de passeio e compras a céu aberto, com mobilidade urbana condizente com o que há de mais moderno.

O processo de formatação do termo de referência do projeto de revitalização da Avenida Brasil, assim como o acompanhamento das obras, terá a participação dos lojistas e da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim).

Parque linear

Para compensar a utilização do terreno gramado entre a pista da Avenida Gastão Vidigal e a frente do atual prédio do antigo terminal de passageiros para a construção do Fórum, a Prefeitura de Maringá vai utilizar espaços públicos e privados para a implantação de um parque linear na área interna do antigo aeroporto.

O parque será utilizado como área de lazer e recreação para os moradores do Residencial Aeroporto e de outros bairros próximos. As atividades do parque atenderão também os familiares e acompanhantes de pacientes do futuro Hospital da Criança. (Com informações Diretoria de Comunicação PMM)