30 de abril de 2019

Exame aponta que menina encontrada morta em Rolândia foi esganada, diz delegado

Eduarda Shigematsu, de 11 anos, morreu após ser esganada, diz polícia. — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Com informações do G1 Globo / Reprodução: Sarandi em Dia
Um exame do Instituto Médico-Legal (IML) apontou que a menina Eduarda Shigematsu, encontrada morta em Rolândia, no norte do Paraná, morreu por esganadura. O laudo foi divulgado pelo delegado Ricardo Jorge, na manhã desta segunda-feira (29).

Para o delegado, o resultado do laudo, que ainda é preliminar, contraria o que disse o pai de Eduarda, Ricardo Seidi, em depoimento. Ele está preso por ocultação de cadáver. Seidi ainda não tem advogado constituído.
Segundo a Polícia Civil, Seidi disse que encontrou a filha enforcada no quarto e, desesperado, decidiu ocultar o corpo dela em outro imóvel. O corpo foi encontrado por volta das 14h30 de domingo (28) enterrado, com os pés e mãos amarrados e com um plástico na cabeça.

"O exame indica que se trata de um homicídio qualificado, porque a menina foi vítima de esganadura e não de enforcamento. Temos que ouvir mais testemunhas, colher mais provas, enquanto isso, vamos pedir a prisão temporária dele", detalha o delegado Ricardo Jorge.

Eduarda desapareceu na quarta-feira (25). De acordo com o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride), no dia do desaparecimento, a criança foi para a escola de manhã, voltou para casa, deixou a mochila no sofá e não foi mais vista.

Conforme a Polícia Civil, câmeras de segurança registraram a menina chegando em casa por volta das 12h, mas não mostraram ela saindo. Por volta das 13h30, o pai saiu de casa em um carro preto e, às 13h37, ele chegou ao imóvel onde o corpo foi encontrado. Esse carro não foi localizado pela polícia