10 de abril de 2019

“Matou alguém? Não importa se tem 12 anos, vai cumprir pena como se tivesse 20 ou 30”, diz Mourão



Em painel sobre a segurança pública na tarde de sexta-feira 22 de março, em Porto Alegre, o presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, defendeu a redução da maioridade penal, fez críticas à progressão de pena e disse que “presídio não pode ser local de recreação”.

Organizado pelo gabinete do deputado estadual tenente-coronel Luciano Zucco (PSL), o evento também teve a participação do secretário nacional de Segurança Pública, general Guilherme Theophilo, e do vice-governador e secretário de Segurança Pública do Estado, Ranolfo Vieira Júnior.Antes de Mourão falar, Theophilo deu a tônica do que pensa o atual governo sobre o sistema prisional, sob o olhar de aprovação do presidente em exercício. O general, que concorreu ao governo do Ceará pelo PSDB nas últimas eleições (e perdeu), destacou a necessidade de “colocar preso para cantar o hino, para fazer faxina, para trabalhar”.

Citou um exemplo do Estado natal, onde, segundo ele, existem o “dia do presidiário” e a “noite do amor”, com visitas íntimas liberadas, onde “ninguém é de ninguém”. Arrancou gargalhadas e aplausos do público.