17 de dezembro de 2019

Conheça a origem do Papai Noel, um dos principais símbolos natalinos

                                Foto:Shutterstock

Natal é feito de família, ceia com quem a gente gosta, troca de presentes e, claro, aquele tipo bonachão, barrigudo e de barba branca. Não há como negar, principalmente nas casas onde as crianças pequenas alegram a noite natalina, que Papai Noel é um dos astros da festa. Quem não tem uma lembrança de Natal que não envolva o Bom Velhinho? Feliz de quem fez cartinhas sobre bons modos na infância e daqueles que levam adiante a magia, para filhos, sobrinhos e afilhados.

Mas você sabe como surgiu essa figura de vestes vermelhas que visita casas mundo afora na noite de 24 de dezembro? Na lenda atual, ele – também chamado de Santa Claus em alguns países – é acompanhado de oito renas, ajudantes para a noite de 24 de dezembro, quando ele entrega presentes às crianças bem comportadas.

De roupas coloridas e lembrando um senhorzinho querido, multiplicado em shoppings nesta época do ano, este Papai Noel é fruto de campanhas publicitárias que popularizaram a versão nos anos 1920 e 1930. Já a inspiração para a lenda é bem mais antiga. As principais hipóteses, dizem historiadores, é de que histórias cristãs se misturaram a festas pagãs.

Alguns dizem que a figura de Papai Noel veio de um bispo da Antiguidade, que viveu no século IV e se tornou santo em razão de milagres feitos, chamado São Nicolau. Ele ficou conhecido pelo hábito de distribuir presentes às crianças mais pobres.Outras pistas falam sobre uma inspiração em tradições germânicas. Uma delas envolve Odin, principal deus de tribos europeias que viviam no Norte – talvez por isso as crianças sempre mandem cartinhas para o polo norte ou para a Lapônia. Com jeito de vovô, grisalho e barbudo, essa figura era a responsável por entregar presentes em um festival chamado Yule, que ocorria a cada entrada de inverno (21 de dezembro no hemisfério norte).

A tradição pagã e a cristã se juntaram mais tarde e a lenda, depois eternizada para 24 e 25 de dezembro, foi trazida para a América por imigrantes holandeses.

A visita desse senhor simpático, que às vezes ganha suas mais divertidas versões – spoiler! – dentro da própria família, é festejada em quase todas as casas, com algumas variações: tem quem o receba antes da ceia, outros, depois. O mais tradicional é contar com a presença dele pela meia-noite.